Amanhecer

  

 Bruno Kampel






Nem dor eterna nem sofrimento
intermin�vel nem solid�o perene:
com agulha e um fio de esperan�a
costuro um amanh� mais denso.

Cubro a tristeza com mel, e rindo
desoriento a dor que espreita, e
abrindo-me enterro o desamor
que tanto pesa.

Reinstalo no olhar o antigo brilho
inaugurando meu sorriso expl�cito
ao qual nomeio por decreto, vital�cio.

Deleito-me velejando em suas �guas,
mas como sempre, e como sempre, soa
o grito que o despertador emite, avisando
que chegou ao fim o sonho.





Procura pelo nome do autor, ou pelo t�tulo, ou por
palavra avulsa:

 



Manda esta p�gina a um amigo
  e-mail do amigo:


 



Poema de Amor Noite em claro Nova era
O convite  Amor virtual Insone
Promessa Poetando Ontem
Solitude Sim! Ela 
Mulher Metamorfose   Amanhecer  
Saudade Senhora Amanh�