CORPO-A-CORPO

Bruno Kampel

 

Suas pernas abraçaram-se ao vaivém do meu balanço, e o meu suor  batizou a pele de galinha de seus seios.
Minha
língua  rebolou ao ritmo de seus gemidos, e sua lascívia  acariciou a rígida prontidão do meu desejo.  
A galope das horas que olhavam de soslaio o nosso encontro,  nos demos sem palavras, nos tivemos sem fronteiras, prometemos e juramos, penetramos e saimos, procuramos e encontramos, e inflamados  explodimos.
Desde os bastidores do nirvana, o amanhecer deixou cair  o pano sobre nossos corpos exaustos, enquanto os minutos que passavam aplaudiam o apagar das luzes da nossa noite de amor.
 

   



Procura pelo nome do autor, ou pelo título, ou por
palavra avulsa:

 

 





Manda esta página a um amigo
  e-mail do amigo:


 



      Mulher virtual       Carnaval        Tua carta  
        O convite    Corpo-a-corpo           Hotel
             Mulher