A sensualidade na Poesia - quando entendida como a m�o destra que afaga com versos; como uma boca experiente que beija com palavras; como um discurso eloq�ente que convida com sil�ncios - � um g�nero que devemos preservar e cultivar, se quisermos defender-nos da �rida intransig�ncia da realidade, que nos exige decis�es claras, frases cristalinas, gestos cortantes, posto que a modernidade, por mais que  nos seduza com seus aparelhos cibern�ticos e amores eletr�nicos, n�o anula o fato de que somos e seremos Pessoas, e como tais, carentes de un abra�o quente, de um olhar envolvente, de sentir-nos queridos e desejados e tocados.
Esperamos que os textos e poemas que apresentamos sejam a m�sica de fundo de um encontro frut�fero, e que as palavras sirvam para tender uma ponte entre os sonhos e a realidade.
Clique no t�tulo para entrar.

 

 


Manda esta p�gina a um amigo
  e-mail do amigo: