Poema de Sandra Falcone  

 

 

 

Estava de um jeito sem jeito

 


 

de quem

no choro e no riso

no ir e ficar

na prosa e no verso

querendo fazer e dizer

alguma coisa nenhuma

quando escorreguei

num tombaço

e dei a grande guinada

na minha forma de ser.

Olhando o mundo,

desequilibrada,

equilibrei.

 

 



Procura pelo nome do autor, ou
pelo título, ou por uma palavra avulsa:

 




 

Estava de um jeito sem jeito

Faço a mala

Somente a certeza

Não me peças

Vestida de loucura e ternura