Poema de Sandra Falcone



Vestida de loucura e ternura

 

engalfinhei-me no teu corpo esquivo,

verti toda a minha

fome.

Nômade,

me fiz em tantas raças,

credos, cores e cheiros,

que esta vil abundância

prendeu-me.

Nem mais sei

se num casulo

de flor

ou de inseto.

 

 

 

 

 



Mande esta página aos seus amigos! Basta clicar uma só vez!



 

Estava de um jeito sem jeito

Faço a mala

Somente a certeza

Não me peças

Vestida de loucura e ternura